“Não existe barreira para o sorriso”

foto massa

Anos e anos trabalhando com todas as formas de artes (plásticas, teatro, música, circo, etc), parece que só acrescentaram ao artista paraibano, Dadá Venceslau, o poder do encantamento. Foi o que observei durante matéria sobre participação de usuários do Juliano Moreira em atividades circenses, numa tarde dessas, no Espaço Cultural. Eles foram recebidos pelo palhaço “Dadá”.

Em meio às peripécias e invencionices de “Dadá”, a plateia interagiu. Desde o momento da maquiagem, montagem do figurino, às brincadeiras. Ainda houve quem desvendasse as mágicas e, em todos os momentos da apresentação, o que se viu foram aplausos e risos… muitos risos!!!!

Fiquei pensando em quantas lágrimas já rolaram por aqueles rostos… quanto sofrimento acumulado pra chegarem até aqui? Será que são “diferentes” de nós? Algumas vezes, temos muitas dificuldades de desfazer os “nós” e, se não tomarmos cuidado, vão ficando maiores do que nós.

Após a apresentação, Dadá Venceslau, se “despiu” do palhaço e se “vestiu” do seu melhor figurino; o mais puro que há: o dele mesmo; o de ser humano que se desnuda e se emociona, embora já tenha feito inúmeras apresentações iguais a daquele dia.

“Saio daqui reenergizado. Em apresentações para um público tão especial como este, é quando a gente percebe que tudo é possível e que não existe barreira para o sorriso”, disse.

Eu também saí dali com vontade de dizer. Difícil mesmo é conseguir falar algo que defina o que minha alma presenciou: o comentário inocente que lembrava o de uma criança; a reação ingênua, vindo de quem viveu situações nem tão puras assim e o sorriso largo, sincero, sem medida, para o tamanho da sua intensidade.

Dadá tem razão: “Não existe barreira para o sorriso”!

 

Foto de Ricardo Puppe

30 thoughts on ““Não existe barreira para o sorriso”

  1. Pensei q não fosse chorar, mas, qdo comecei a ler, foi dando um nó na guela. O texto puro e verdadeiro diz tudo da nossa vivência. Realmente, foi muita inspiração. Continue acendendo essa luz que traz uma avaliação tão forte e objetiva. Valeu! Que Deus nos dê mais oportunidades de viver emoções junto às pessoas.

  2. Que texto lindo, cheio de respeito e de carinho. Só vem a contribuir com a quebra de preconceito.Parabéns, Romye. Mais uma vez, você arrasou nas palavras e no olhar singular.

  3. É verdade, e quando existem, as barreiras invisíveis, que nós criamos, para dificultar as nossas vidas… Precisamos eliminar, reagir, para que o sorriso permaneça em nossas vidas e alegrando a vida de quem sorrir com o nosso sorriso.

  4. Lindo texto, Romye. Sensível e emocionado assim como você. Uma bela homenagem a essas pessoas que, entre lágrimas e sorrisos vão enfrentando preconceitos e indiferença. Compartilho da mesma admiração que você por esse ser humano lindo, generoso e talentoso chamado Dadá Venceslau.

  5. Texto lindo que nos lembra a importância de viver cada instante com intensidade, reclamar menos e ser feliz com a simplicidade das pequenas coisas que nos rodeiam…

  6. A alegria dos deuses e dos inocentes residem numa mesma frequência, entre a experiência e inocência de cada um. E o palhaço é um dos únicos seres da invenção que consegue oferecer esse acesso.
    Parabéns pela iniciativa de todos.

  7. Minha querida Romye Schneider, você conseguiu tirar lágrimas deste palhaço mesmo a quilômetros de distância, é assim que acontece conosco, muitas vezes tiramos a alegria da nossa própria dor porque o palhaço não pode chorar.
    Excelente texto! Parabéns Dadá por levar a sua alegria para estas pessoas, tive o prazer de conhece-lo na II FENART, depois de anos nos encontramos no Murarte em Pombal PB.
    Romye , só tenho uma coisa a dize-lhe neste instante:
    Obrigado por seu minha amiga, obrigado por retratar tão bem a alma humana !

    1. José Ronaldo, mt obg pelo comentário. Vc, assim como Dadá e muitos outros artistas q, entre vários personagens, se “vestem” de palhaço, são essenciais para revelar o sorriso de quem, aparentemente, não há motivo nenhum para sorrir.
      Afinal, “não existe barreira para o sorriso”.

  8. Eita, que Romye é a rainha da superação! Na vida, na emoção, nos textos, na percepção… Que olhar maravilhoso você lançou nesse acontecimento que foi a apresentação de Dadá para essas pessoas sofridas que, como nós, vivem, pra desatar os “nós” (parafraseando você)!! Olhar de gente sensível, de gente de coração imenso, de gente que sabe a importância de se colocar no lugar do outro.

  9. Belíssimo texto! Um primor! Aliás, envolve duas pessoas muito especiais: Dadá Venceslau e Romye, que conheço há tantos carnavais! Os dois tem muito em comum: transformam a vida, nem sempre fácil, em risos!Parabéns queridos!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *