Oh MULHER MARAVILHA difícil, viu!

*Munganga vivida pela ouvinte Denise Vilar e o marido, Márcio Sorrentino

 

Foi uma saga de herói. Aliás, de heroína, já que o filme em questão era Mulher-Maravilha. Eu e meu marido Márcio programamos ir ao cinema à noite, após sair do trabalho, no Jornal A União. Isso já é uma correria, porque eu não tenho horário certo pra sair, então a tarde toda foi com o foco na agilidade das minhas tarefas pra não correr o risco de chegarmos atrasados à sessão.

Se isso é munganga? Até agora não, mas o que vem a seguir acaba em munganga sim! Escolhemos a sessão das 21h no Mag Shopping, em Manaíra. Márcio foi me buscar no jornal, que fica no Distrito Industrial e tivemos que ir em casa, no Expedicionários, porque ele não estava pronto. Minha ideia era ir direto, mas…  chegamos ao Mag faltando cinco minutos para a sessão. Apenas duas pessoas na fila da bilheteria… Ufa, conseguimos!

– Duas inteiras para Mulher-Maravilha, por favor.

– A sessão foi cancelada. O filme estava com falhas.

Ah!? Como assim!? Vou perder o filme depois dessa correria toda!? Saímos decepcionados e já com a intenção de voltar pra casa. No carro, decidimos tentar a sessão das 21h, no Manaíra Shopping, mesmo perdendo o início do filme.

Ok. Estacionamos no lugar mais próximo possível das escadas rolantes externas; subimos sem esperar as escadas fazerem o trabalho delas, perguntamos o caminho do cinema a um segurança e pegamos outra escada rolante. Só que… a errada! Arrodeamos e voltamos pra pegar a escada certa. Não é possível! Esse filme tá de rosca, minha gente!?

Na bilheteria…. fiiiiiiila!! Chegou minha vez!

– Ainda dá pra sessão da Mulher-Maravilha?

– Dá sim.

Ufa, conseguimos! Segui triunfante com os ingressos na mão e encontrei Márcio com um pacote de pipoca enorme e duas garrafas d’água na mão. Pipoca, água, ingressos, meu casaco, minha bolsa escorregando do ombro, ingressos entregues, óculos 3D recebidos e todas as outras coisas todas.

Entramos na sala escura, já ouvindo a narração da história da Mulher-Maravilha. Embaixo da tela, andando e olhando pro filme, Márcio tropeça num batente e foi pipoca pra todo lado no chão e as outras coisas caindo também, porque tentei segurá-lo pra evitar que se esborrachasse como as pipoquinhas, que iriam fazer falta. E claro que todo mundo deve ter visto aquele espetáculo, né? Com óculos 3D e tudo!Só não digo que foi melhor do que o filme porque, neste caso, a ficção supera a realidade. O filme é muito bom!

Por fim, sentamos, fatigados e envergonhados. Márcio olhou pra mim, me mostrou um galo enorme que se formou, imediatamente, na frente da canela e, olhando ao redor,  disse baixinho:

– Agora eu tô é com medo de ficar aqui!!!!!!!

23 thoughts on “Oh MULHER MARAVILHA difícil, viu!

  1. Minha pergunta é: Custava “Fi” ter ido te buscar já pronto?? Homens e seu jeito nada prático. Rss
    Para a Munganga ser maior só faltou vocês estarem com Romye, que teria morrido de rir e chamado atenção para a queda de Márcio.
    Sem contar que teria dito : Henheimm, as pipocas. ( sem ter pena das canelas de Fi)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *