É um mói de pedra, viu!

Colelitíase é um nome bem afeiçoado pra o que quer dizer de verdade: pedra na vesícula. A Medicina adora botar nome esquisito em doenças mais esquisitas ainda. Pois, tem coisa mais estranha do que você carregar pedras dentro do seu próprio corpo? No meu caso, foram sete. Até me entregaram num pote, após a cirurgia. Gosto de vê não. Saber já basta. E é troféu, é? Vôte! Não já chega carregar várias “pedreiras” na vida, ainda tem que encarar esse mói de pedra dentro da pessoa? Oh invenção, essa, viu!Fico me perguntando se é alguma das “pedras” de fora, que a gente carrega, o tempo todo, que, de vez em quando, escapole pra dentro. Será?

Mas, o que fazer com essa ruma de pedra? Eis que a solução é a tão famigerada cirurgia.

– É um procedimento simples – disseram alguns. Vários deles, inclusive.

– Oh, meu fi, se você quer me acalmar diga, mas, simples, simples, não é não, viu!

Se fosse simples, eu não teria visto a cara das pessoas que entraram no bloco cirúrgico, antes de mim, com tensão, angústia e vontade de correr dali.

Se fosse simples, não mandavam ficar sem comer e nem tomar água por horas e horas. Logo eu, uma pessoa esfomeada.

Se fosse simples, não davam anestesia geral e quando a pessoa tornasse descobrir que tava com quatro furos no bucho. Resultado da videolaparoscopia. Outro nominho invocado do qual fiquei bem íntima de tanto responder as 300 mil pessoas que me perguntaram:

– É cirurgia aberta ou fechada (por video…)?

E isso lá é opção? Se ficar com quatro buracos no bucho quer dizer fechada, não faço a menor ideia do significado da palavra aberta. 

Ufa! Não sei se tou ficando maluca de tanto falar e pensar no assunto, mas, cá com as minhas pedras, será que tirando esse mói de dentro a pessoa fica mais leve pra carregar as “pedreiras” de fora?

27 thoughts on “É um mói de pedra, viu!

  1. Tudo que a gente puder tirar de dentro deixa a gente mais leve, mulher!!!! Já fiz essa cirurgia, mas nem lembrava do nome rsrsrs. Eita talento pra tirar graça de tudo!!!! Kkkkkkkkkkk

  2. Concordo com você, Romye! As pedras que a gente carrega nos sapatos ou nas costas, em um belo dia passam para o lado de dentro e se transformam em pedras nas vesículas, dores no corpo (fibromialgia, outro nome esquisito rsrs), doenças autoimunes e por aí vai. C’est la vie. Estou feliz em saber da sua excelente recuperação. Bj

  3. Kkkkkk desviar as pedras que encontramos no meio do caminho, não muito fácil.Imagina dentro do corpo. Eu desejo que vc consiga levar pra toda vida esse dom de deixar as pedras da vida mais leve .
    Deus te abençoe e ilumine sempre.
    Beijos.

  4. Romye
    Boa recuperação…
    Só lembrando mais um fato. Ficar com esse “mói” de pedra na barriga é pra “ferrar”. Já não basta as crises (cólica), o risco de complicação ( lá vem outro palavrão da medicina!) como a PANCREATITE…AFFF. Nem queira saber! Curta, se livrar dessas pedras no seu caminho e na sua barriga..Jogue no mar, ter SORTE. Tudo de bom!!

  5. Até se recuperando de uma cirurgia, vc consegue ser engraçada rsrsrsrs Essas pedrinhas não são nada, diante das pedras que vc já teve que enfrentar no seu caminho….Logo estará novinha em folha e pronta pra mungangar! 😉😉😉

  6. Boa recuperação querida Romye, e continue sempre com esse alto astral. É assim mesmo a melhor maneira de encarar situações adversas da vida.
    Texto maravilhoso como sempre, parabéns
    Um grande abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *